Componentes Básicos de um Perfume

 

O perfume é uma mistura composto por três componentes básicos (Charlanti, 1998):

- Essências ou óleos essenciais: São a classe de substâncias que geram o perfume. As essências podem ser naturais (extraídos, por exemplo, de flores, de folhas, de raízes ou de animais), sintéticos (como o aldeido benzóico, a heliotropina, etc.) ou artificiais (por exemplo, o trinitributilxileno).

- Fixador: São substâncias que são utilizadas para retardar ou até mesmo impedir a volatilização das essências ou óleos essenciais, conservando por mais tempo o aroma. Estas substâncias podem ser naturais (de origem animal ou vegetal) ou artificiais (por exemplo, o solisilato de benzila).

- Diluentes: São utilizados para dar ao preparado uma concentração adequada (certa), ou seja, para que ele não fique forte em excesso. Os diluentes mais comuns são o álcool (etanol) e a água. A sua quantidade depende do tipo de perfume que se quer obter.

Em média, um perfume pode ter entre 20 a 500 componentes orgânicos.

A análise química dos perfumes mostra que eles são uma complexa mistura de compostos orgânicos denominada fragrância (essências básicas) (Carvalho, 2002).

Inicialmente, as fragrâncias/essências eram classificadas de acordo com sua origem (Quadro 3), como por exemplo  (Carvalho, 2002):

Fragrância floral - consistia no óleo obtido de flores tais como a rosa, jasmim, lilás etc.
Fragrância verde - era constituída de óleos extraídos de árvores e arbustos, como o eucalipto, o pinho, o citrus, a alfazema, a cânfora etc.
Fragrância animal - consistia em óleos obtidos a partir do veado almiscareiro (almíscar), do gato de algália (algália), do castor (castóreo) etc.
Fragrância amadeirada - continha extractos de raízes, de cascas de árvores e de troncos, como por exemplo, do cedro e do sândalo.

Quadro 3 - Classificação das fragrâncias/essências de acordo com a sua origem (Carvalho, 2002).

 

Actualmente a classificação das fragrâncias/essências engloba 14 grupos (Quadro 4) organizados  de acordo com a volatilidade dos seus componentes (Dias & Silva, 1996): 

cítrica (limão) lavanda
verde (jacinto) frutas (pêssego)
madeira (sândalo) couro (resina de vidoeiro)
âmbar (incenso) animal (algália)
baunilha florais (jasmim)
ervas (hortelã) especiarias (cravo)
aldeídica almíscar

Quadro 4 – Classificação das fragrâncias/essências em 14 grupos de acordo com a volatilidade dos seus componentes (Dias &Silva, 1996).

Os perfumes têm em sua composição uma combinação de fragrâncias/essências distribuídas segundo o que os perfumistas denominam de notas de um perfume. Chamamos de notas às intensidades que certas essências se volatilizam. Assim, um bom perfume possui três notas (Quadro 5) (Dias & Silva, 1996):

 Nota superior (ou cabeça do perfume):

 Nota do meio (ou coração do perfume):

 Nota de fundo (ou base do perfume):

É a parte mais volátil do perfume e a que detectamos primeiro, geralmente nos primeiros 15 minutos de evaporação.

Ex.: Laranja, Lavanda, Manjericão, Louro, Tangerina, Estragão,  Bergamota, etc.

É a parte intermediária do perfume, e leva um tempo maior para ser percebida, de três a quatro horas.

Ex.: Rosas, Gerânio, Neroli, etc.

 

É a parte menos volátil, geralmente leva de quatro a cinco horas para ser percebida. É também denominada ‘fixador’ do perfume.

Ex.: Jasmim, Musgo, Sândalo, Âmbar, Baunilha, Almíscar, etc.

Quadro 5 – Notas de um perfume (Dias & Silva, 1996).

 “O perfume vive no tempo; tem sua juventude, sua maturidade, e sua velhice…” (Carvalho, 2002).

A pirâmide (Figura 14) representa essas três notas de um perfume (Paget, 2007):

Figura 14 – Pirâmide das três notas de um perfume (Paget, 2007).

O Gráfico 1 classifica as fragrâncias de acordo com a sua volatilidade e a sua participação nas notas de um perfume (Dias & Silva, 1996).

Gráfico 1 - Escala de notas de um perfume e a participação de diferentes fragrâncias nessas notas (Dias & Silva, 2006).

Uma fragrância pode ser classificada de acordo com a sua concentração, ou seja, de acordo com a quantidade de óleos essências aromáticos (essências) diluídos num solvente (normalmente álcool e/ou água). Essa classificação está descrita no Quadro 6  (Gigi Perfumes, 2007).    

 

  Parfum (extracto de perfume)

É a forma mais concentrada.

Possui uma concentração de óleos essenciais aromáticos (essência) em torno de 15% a 20% e álcool, 96%.

Duração na pele: 12 a 20 horas.

 

  Eau de parfum (deo perfume)

Possui uma concentração de óleos essenciais aromáticos que se situa entre 10 e 15%. 

Duração na pele: 6 a 8 horas. Depende do tipo de pele da pessoa.

 

  Eau de toilette 

Ressaltam as notas frescas.

Possui uma concentração de óleos essenciais aromáticos que se situa entre 5 e 10%.

Duração na pele: 4 a 6 horas. Depende do tipo de pele da pessoa.

 

 

  Eau de cologne (deo colônia)

É a forma menos concentrada (mais simples) em que as notas de cabeça são acentuadas (sensação de maior frescura).

 Possui uma concentração de óleos essenciais aromáticos que se situa entre 3 e 5%.

Duração na pele: passageira (pequena). Ideal após o banho.

Quadro 6 – Classificação das fragrâncias de acordo com a sua concentração (Gigi Perfumes, 2007).

            As fragrâncias também podem ser agrupadas segundo famílias, sendo cada família caracterizada por uma dominante olfactiva. Apresentamos uma classificação das fragrâncias em oito famílias olfactivas diferentes descritas no quadro 7 (Gigi Perfumes, 2007).. 

Cítricos Florais ou Frutados

As matérias-primas são extraídas de cascas de frutas cítricas como lima, limão, laranja, bergamota, etc.

São águas-de-colónia refrescantes.

Florais Aldeídos

As matérias-primas são extraídas de flores.

São perfumes românticos, delicados e discretos.

Fougère ou Amadeirados

As matérias-primas são leves e frescas extraídas normalmente da madeira, tubérculos e raízes.

São utilizados em fragrâncias masculinas.

 

Chipre Florais

As matérias-primas são extraídas de musgos, normalmente, do carvalho.

São perfumes clássicos e sofisticados.

 

Orientais Florais

As matérias-primas são à base de âmbar, baunilha e tuberosas.

São perfumes fortes, marcante, misteriosos e super sensuais.

 

Couros Secos

As matérias-primas são extraídas do tabaco, de madeira, couro, musgos, etc.

São fragrâncias extremamente secas que tentam reproduzir o aroma do couro.

 

Aldeídos Florais

São geralmente misturas sintéticas (os aldeídos). 

Possuem uma certa frescura inicial característico e picante.

 

Aromáticos Secos e Frutados

As matérias-primas são à base de cominho, manjericão, estragão, cravo, canela, noz-moscada e pimenta.

São misturas de secos e frutados que criam uma fragrância híbrida.

Quadro 7 – Classificação das fragrâncias de em oito famílias olfactivas (Gigi Perfumes, 2007).

 
 
 
 
 
 
       
     
© Junho, 2008 | Site Optimizado para I.E, v7, 1280x1024